Vagas de Emprego 2016: Tupy

Vagas de Emprego 2016: Tupy - 5.0 de 5 totalizada em 3 Notas

Votos do utilizador: 5 / 5

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 
Vagas de Emprego 2016 - Tupy

Você jovem, já pensou em começar sua carreira em uma das maiores empresas do Brasil? Então confira como inscrever-se a uma vaga de Emprego na TUPY 2016.

Como se inscrever a uma vaga de emprego na Tupy

Se você se interessou e quer se inscrever na Vaga de Emprego 2016 Tupy, siga os seguintes passos:

Clique aqui, acesse o site da Tupy,  e cadastre seu currículo.

Sobre a Tupy

A história da TUPY segue de perto os passos da industrialização do Brasil e da cidade de Joinville, colonizada a partir da segunda metade do século XIX por imigrantes europeus, a maioria de origem germânica. Albano Schmidt, Hermann Metz e Arno Schwarz, que fundaram a TUPY em 9 de março de 1938, descendiam desses imigrantes. Albano era um homem de negócios e os sócios, pessoas que já se dedicavam a fabricar artefatos de ferro, utilizando conhecimentos rudimentares de fundição.

Dez anos antes de a TUPY existir, Albano havia desafiado seus companheiros a “descobrir a fórmula do ferro fundido maleável”, utilizado na fabricação de conexões, então conhecidas no país apenas pela importação. Sem contar com recursos de laboratório ou de manuais que dessem algum indicativo de como chegar à fórmula dessa liga (originalmente descoberta em 1630, na Inglaterra), tudo era feito na base da tentativa e erro, até que em 1935
Carregamento de conexões em barricas,
para transporte marítimo
obteve-se a composição certa. Três anos depois, nas mesmas instalações de uma antiga oficina existente no centro da cidade, as primeiras conexões com a marca TUPY começaram a ser fabricadas. Em 1941 já recebiam o atestado de similaridade, o que significava serem semelhantes às estrangeiras.


ATENÇÃO! Antes de Se Inscrever compartilhe essa oportunidade.

A visão empreendedora

Enquanto as conexões ganhavam mercado em todo o país e se tornavam líderes em vendas, Albano Schmidt planejava a construção do que viria a ser o parque industrial do Boa Vista, para onde a TUPY começou a se transferir em 1954. A mudança acabou dando início ao próprio bairro, hoje um dos mais populosos de Joinville, e a primeira unidade de fundição, com capacidade para três mil toneladas ao ano, logo transformou a TUPY na maior empresa do Estado de Santa Catarina.
Vista Aérea da TUPY em 1954

Vista aérea da Escola Técnica TUPY Albano Schmidt morreu em 1958 e a Presidência da empresa foi ocupada pelo filho Hans Dieter Schmidt, então com 26 anos, mas já visto pelo pai como sucessor natural. Homem de ideias arrojadas e visão empreendedora, Dieter criou em 1959 a Escola Técnica Tupy, com o objetivo de qualificar mão de obra para fazer frente aos desafios que, acreditava ele, a indústria automobilística traria. O primeiro
contrato para produção de peças automotivas havia sido firmado em 1958: tambores de freio para a Volkswagen, recém-chegada ao Brasil.

Em 1963 a segunda unidade de fundição foi instalada, exclusivamente para produzir peças automotivas, e em 1972 foi criado o primeiro Centro de Pesquisa, em parceria com a Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Em 1975, uma terceira frente materializava a vocação da empresa para atuar no setor automotivo: a unidade de fundição de blocos e cabeçotes de motor, segmento que hoje responde por mais de 60% dos negócios da empresa.
Primeiros produtos para indústria
automobilística brasileira:
tambores de freio

A internacionalização

A década de 1970 marca também o início do processo de internacionalização da TUPY. Já exportando conexões para países da América do Sul e da Europa, a empresa se estabelece em 1976 nos Estados Unidos e, no ano seguinte, na Alemanha, com escritórios de negócios.

Em 1981, quando ocupava o cargo de Secretário de Estado da Indústria de Santa Catarina, Hans Dieter Schmidt faleceu em acidente aéreo. Sua morte prematura, a estagnação econômica pela qual passava o Brasil na época e a excessiva diversificação dos negócios da Organização, que além de fundição também incluíam os ramos químico e plástico, vão se refletir nessa década e na próxima.

Iniciando em 1991 uma gestão profissionalizada, em 1995 a TUPY deixa
Embarque de produtos
destinados ao mercado externo
de ser um empreendimento familiar e seu controle acionário é entregue a um grupo de fundos de pensão e bancos, solução de capital encontrada para fazer frente ao excessivo endividamento. Nesse mesmo ano, a TUPY adquire a Sofunge, fundição cativa da Mercedes-Benz do Brasil.

Já então focada em seu core-business, fundição, a empresa passa a concentrar todos os seus esforços na ampliação das exportações, consolidando-se no mercado externo como competidora global junto ao setor automotivo.
Em 1996, além de produtos brutos, a TUPY começa a oferecer a seus clientes os serviços de usinagem. Em 1998 adquire uma unidade de fundição em Mauá, no Estado de São Paulo, ao mesmo tempo em que moderniza e expande o parque fabril de Joinville.

Os dias atuais

Meio ambiente é prioridade e novos sistemas de exaustão são instalados
Os anos 2000 começam com a implantação do Sistema de Gestão Ambiental (SGA), que exigirá investimentos em várias frentes, de forma a gerenciar o impacto sobre o meio ambiente dos processos produtivos da empresa, em conformidade com a legislação correspondente. A primeira certificação pela ISO 14001 é obtida já em 2001.

No mesmo ano a TUPY domina o processo de utilização do ferro fundido vermicular (CGI – Compacted Graphite Iron) para produção em larga escala de blocos de motor e assina o primeiro contrato para fornecimento desses produtos à Ford, no Reino Unido.

Em 2003, os acionistas controladores decidem mudar a liderança da Companhia. A nova administração estabelece como prioridades a reestruturação da dívida e a reorganização da estrutura, condições essenciais para suportar o crescimento que viria nos anos seguintes. Em 2004 a
Blocos em ferro vermicular destacam-se
entre os avanços tecnológicos
empresa é destacada com o Prêmio Finep de Inovação Tecnológica, pelo domínio do processo de fabricação de componentes em ferro fundido vermicular.

No triênio seguinte a TUPY beneficiou-se do forte crescimento da economia mundial e, mesmo diante de limitações decorrentes da reestruturação da dívida, concluída ao final de 2003, alcançou resultados que lhe conferiram posição de destaque na indústria de fundição. Esta circunstância motivou acionistas controladores a dar novo voto de confiança à Companhia, sob a forma da conversão, em ações, de debêntures no valor de R$ 304,6 milhões ao final de 2007.

Ao completar 70 anos, em 2008, a TUPY – com sua saúde financeira totalmente recuperada – anuncia investimentos de R$ 420 milhões, destinados à modernização de suas unidades produtivas, ao aumento da capacidade de produção, à ampliação dos serviços de usinagem e melhorias ambientais. O ano da comemoração do septuagésimo aniversário passa para a História como o melhor ano da empresa, em vendas e geração de caixa.

Reconstrução da unidade de fundição C, em Joinville, para ampliar produção

Com foco cada vez maior no negócio de blocos e cabeçotes de motor, a TUPY volta a anunciar investimentos de vulto em 2011, destinados à ampliação da capacidade de produção desses componentes, bem como a projetos de usinagem, adequações tecnológicas, automação, infraestrutura, logística e meio ambiente.

Nova Fundição C. Com o objetivo de ampliação da capacidade produtiva a TUPY inaugurou em 02 de junho de 2012 a nova fábrica de blocos e cabeçotes para motores, denominada Fundição C, no parque industrial da Tupy, em Joinville (SC).
Com investimentos da ordem de R$ 157 milhões, a Fundição C foi construída com tecnologia de ponta. A nova fábrica tem 24 mil metros quadrados e capacidade, na primeira fase, de 70 mil toneladas/ano, havendo potencial para dobrar este número.
Seus produtos destinam-se a indústria automobilística mundial, principalmente para uso comercial, agrícola e veículos pesados.

Em 16 de abril de 2012 a TUPY concluiu o processo de aquisição de duas
fundições no México: Cifunsa Diesel e Technocast, ambas especializadas na
fabricação de blocos e cabeçotes de motores e pertencentes ao Grupo Industrial
Saltillo (GIS). Essas aquisições significam a primeira base produtiva da TUPY no
exterior e somaram 312 mil toneladas à sua capacidade de produção anual,
transformando a empresa no maior fabricante global de blocos e cabeçotes de
motor. A operação também ampliou a presença da TUPY no segmento de
componentes para motores de máquinas agrícolas, de construção e mineração.


Lei da Aprendizagem

Nº 10.097/2000, ampliada pelo Decreto Federal nº 5.598/2005. Determina que todas as empresas de médio e grande porte contratem um número de aprendizes equivalente a um mínimo de 5% e um máximo de 15% do seu quadro de funcionários cujas funções demandem formação profissional.

No âmbito da Lei da Aprendizagem, Jovem aprendiz é o jovem que estuda e trabalha, recebendo, ao mesmo tempo, formação na profissão para a qual está se capacitando. Deve cursar a escola regular (se ainda não concluiu o Ensino Médio) e estar matriculado e frequentando instituição de ensino técnico profissional conveniada com a empresa.

Como se inscrever no Jovem Aprendiz 2017

Cada empresa tem sua forma de inscrição. Clique aqui e digita o nome de sua cidade, ou empresa e veja vagas abertas próximo a você!